segunda-feira, junho 14, 2004

Super Bock Super Rock

O último dia do festival valeu pelo grande concerto dos Pixies, de que falaremos numa próxima ocasião. As condições oferecidas ao público foram desastrosas. Não se compreende como é que a Música no Coração, que já anda a organizar concertos há tanto tempo, não aprendeu nada com o Rock in Rio. Não basta meter 60 ou 70 mil marmanjos no recinto, é preciso dar-lhes condições mínimas. O que se passou na sexta foi incrível: com bilhetes a 10 contos, quem quisesse beber uma cerveja tinha que esperar horas no meio de um ajuntamento caótico. Para mijar, mais valia ir até à margem do Tejo. Quem não tenha sido precavido provavelmente não comeu, dadas as filas enormes. Por fim, foram vendidos bilhetes a mais. A certa altura (no fim dos Pixies) senti-me como um daqueles peregrinos que são esmagados em Meca. O aperto foi enorme e ninguém se aleijou por sorte. O mais engraçado é que não vi nenhum jornalista escrever sobre estas coisas, que eram tão evidentes para quem estava no recinto sem "bilhete VIP". Os mesmos que criticaram Roberto Medina por "não conhecer o público português" estiveram agora calados. É preciso dizer que o Rock in Rio cheirava a marketing por todos os lados: o "maior festival do mundo" tinha um cartaz de terceira. Mas as condições dadas aos espectadores, segundo diz quem lá esteve, eram óptimas. Os organizadores portugueses deviam aprender com isso.

Sem comentários: