sexta-feira, abril 28, 2006

Poesia Nuclear

Tiberius (o morcão), moreno português,
cabelo asa de corvo; da angústia da cara,
nariguete que sobrepuja de través
a ferida desdenhosa e não cicratizada.
Se a visagem de tal sujeito é o que vês
(omita-se o olho triste e a testa iluminada)
o retrato moral também tem os seus quês
(aqui uma pequena frase censurada...)
No amor? No amor não crê (ou não fosse ele Tiberius!)
e tem a veleidade de não o saber fazer
(pois amor não há feito) de maneiras mil
que são a semovente estátua do prazer

Mas não sofre de ternura, não bebe demais e não se ri
Do que neste soneto sobre si mesmo disse...
Anda com dentes podres e cheira a chichi
Espreita fechaduras para ver nua a Alice

6 comentários:

Tiberius disse...

Oh Carcaça, mas quem caralho é a Alice, porra?

Zézé Camarinha disse...

Já fui para a cama com mais de 1500 mulheres, devo estar quase a chegar à mulher 2000! Quando isso acontecer, dou uma festa no meu bar no Algarve!

Vostradeis disse...

É bem feito, sim senhor!

Tiberius disse...

É bem feito o quê? Tás-te a rir, oh Vostra? Eu já te dedico uma versalhada a ti também, mânfio!

Ora, o que é que rima com Vostra... Mostra, postra, tostra, rostra... As rosas são vermelhas, o Vostra é cor-de-rosa...

Hmm, isto é mais difícil do que parece. Oh DJ Carcaça, saca aí uns versos anarco-sindicalistas a cascar no Vostra, que ele merece!

Ernesto disse...

Tá, tá, coisa bonita... bem dada

Anne disse...

Hi, Im carrying out a study into some aspects of Badminton such as 'badminton racket'. I need to find volunteers to help. I've used badminton racket but I need more contributors. Any ideas on where to look?
Rgds