.
.

NÚCLEO DURO

 

Pub

A política é a arte de fazer alianças. É só derreter os fios de ouro roubados...







Pub







quarta-feira, novembro 29, 2006

Kramer passou-se!!!

Michael Richards, mais conhecido como o Kramer da série Seinfeld, é um grande actor. Basta ver como ele age quando não sabe que está a ser filmado:



... e como se comporta diante das câmaras:


terça-feira, novembro 28, 2006

Núcleo em expansão
Ernesto soma e segue



O Ernesto pode estar a levar na peida na Grandenorme Liga, mas na competição da pistola mais prolífera do Núcleo, é líder isolado. O Núcleo tem a honra de anunciar o nascimento de mais um Ernestinho, que veio ao mundo para zelar pela pureza da sua irmã Ernestinha. Ernestinho nasceu com 7600 gramas - um peso-pesado que promete em breve esta a dar luta ao Cabloguinho no Mundialito de Sumo das Mascotes do Núcleo.

Recapitulando, o Núcleo conta agora com um Cabloguinho, uma Zizouzinha, um Ernestinho e uma Ernestinha. Aguarda-se agora com ansiedade o nascimento da Tiberinha, que está para breve. Vostradeis e Carcaça são os únicos que ainda não arrebentaram preservativos. Uns fracos!...


sexta-feira, novembro 24, 2006

Mamas da Sic Versus Mamas da TVI

Há aí uma telenovela manhosa na Sic onde uma miúda loura sem cara para beber batido de banana emborca vodka às canecas e mostra as mamas dia sim dia não e mostra mal. Na TVI, à mesma hora, a conversa é outra. Parece que a Paula Neves (é uma actriz portuguesa de novela, Tiberius) ontem fez um strip. De luxo.


quarta-feira, novembro 22, 2006

Blogosfera
Bem-vinda Elle Driver



A Elle Driver é uma conhecida do Núcleo que, apesar de ser mulher, escreve muito bem. As crónicas que tem publicado no seu blog Os Cromos da Minha Caderneta são hilariantes. Nomeadamente a última, sobre a noz moscarda (moscarda mesmo!).


segunda-feira, novembro 20, 2006

Hino para os congressos do Núcleo
Escolha final: DJ Carcaça



O grande mentor dos Pão & Circo dá uma demonstração da sua pujança musical, numa apresentação que lhe valeu a vitória na versão sueca do concurso Ídolos. DJ Carcaça, conhecido também como o Tom Waits de Santa Clara, mostra porque é reconhecido internacionalmente como um prodígio de poder vocal e de elasticidade braçal. A coordenação da sua coreografia é impressionante: um misto de Fred Astaire e Michael Jackson.


quarta-feira, novembro 15, 2006

Escutas do Ministério Público (as únicas que são melhores q'as do Núcleo)

Pinto de Sousa (PS) - A única coisa que eu tinha dito ao João Rodrigues é o seguinte... É pá, há 15 dias ou 3 semanas ele perguntou-me: 'Quem é que você está a pensar para a Taça?'... Eu disse: Estou a pensar no Paraty ou no Zizou.
Valentim Loureiro (VL) - Bem, o gajo [LFV] está fodido. O Paraty então não consegues, não é?
PS - O Paraty não pode ser. (...) Até para os árbitros restantes, diziam assim: 'É pá, que diabo, este gajo tem tantos internacionais e não tem mais nenhum livre, pá?!'
(...)
VL - Eu nem dá para falar muito ao telefone, que ele começa para lá a desancar (...) Mas qual é o gajo que o Porto não quer? O Porto quere-os a todos, pá! Qualquer um lhe serve!
VL - O Porto quer lá saber disso!
PS - Se fosse o Lucílio... Se fosse o Lucílio era o Lucílio, se fosse o António Costa, era o António Costa...
VL - Ao Porto qualquer um lhe serve!
PS - É...por acaso é verdade... Eles até pedem para não ir o Tiberius, que os beneficia exageradamente e dá nas vistas.

Etiquetas:


terça-feira, novembro 14, 2006

Alta Arte
O futuro do passado



(...) Ignorava o nome dela, mas sabia que trabalhava no Departamento de Ficção. (...) Rapariga de ar atrevido, dos seus vinte e sete anos, com cabelo espesso, rosto sardento, e movimentos lestos, atléticos. Trazia uma estreita faixa encarnada, insígnia da Liga Juvenil Anti-Sexo, enrolada à volta da cintura, suficientemente apertada para nela realçar a forma harmoniosa das ancas. (...)

(...) Perpassaram-lhe pelo espírito alucinações nítidas, magníficas. Espancá-la até à morte com um cacete de borracha. Amarrá-la nua a um poste e cravá-la de setas como São Sebastião. Violá-la e cortar-lhe a garganta no momento do clímax. Além disso, percebia agora por que motivo a odiava. Odiava-a por ser jovem e bonita e assexuada, porque queria ir para a cama com ela e nunca o faria, porque à volta da cintura graciosa e flexível, que parecia convidar um homem a enlaçá-la, havia apenas a odiosa faixa encarnada, símbolo agressivo da castidade.

(...) E o próprio Departamento de Arquivos era afinal apenas um dos ramos do Ministério da Verdade, cuja função primordial não consistia em reconstruir o passado, mas em fornecer aos cidadãos da Oceânia jornais, filmes, livros de estudo, programas de telecrã, peças de teatro, romances - todos os tipos de informação, instrução ou divertimento, da estatuária à palavra-de-ordem, do poeta lírico ao tratado de biologia, da cartilha infantil ao Dicionário de Novilíngua. (...) Existia toda uma série de departamentos independentes dedicados à literatura, à música, ao teatro e, de um modo geral, às diversões proletárias. Aí produziam-se pasquins onde quase só se falava de desporto, crimes e astrologia; romances de cordel a cinco cêntimos cada; filmes a transbordar de sexo; e canções sentimentais inteiramente compostas por processos mecânicos numa espécie de caleidoscópio conhecido pelo nome de versificador. Havia mesmo uma secção inteira - a Pornosec, chamavam-lhe assim em novilíngua - encarregada de produzir pornografia da mais reles, que era mandada para o exterior em embalagens seladas (...)

Rangeu os dentes, Apetecia-lhe cuspir. Ao mesmo tempo que pensava naquela mulher da cave pensou também em Katharine, a sua mulher. (...) Parecia-lhe respirar de novo o odor quente e abafado daquela cozinha na cave, um odor misto de percevejos, roupa suja, com um abominável perfume barato que conseguia ser, apesar de tudo, cativante, pois nenhuma mulher do Partido usava perfume. (...) No espírito de Winston, esse aroma ligava-se indissociavelmente ao acto sexual.

Quando Winston decidiu ir com aquela mulher, foi a sua primeira escapadela em dois anos ou mais. As relações com prostitutas estavam, evidentemente, proibidas; uma daquelas regras que de vez em quando se arranjava coragem para infringir. (...) Nos bairros mais pobres, pululavam mulheres prontas a vender-se. Algumas até se deixavam comprar por uma garrafa de gin, coisa que os proles não tinham direito a beber. Tacitamente, o Partido tendia até a fomentar a prostituição, como forma de dar vazão a instintos impossíveis de suprimir completamente. A mera libertinagem não era tida por muito grave, desde que praticada furtivamente, sem alegria e apenas com mulheres da classe miserável e desprezada (...).

- 1984, de George Orwell


segunda-feira, novembro 13, 2006

TOP JACKPOT ND


Tom Waits - Lie To Me (do novíssimo Orphans)


sexta-feira, novembro 10, 2006

As paredes têm bocas



As mensagens murais têm muitas vezes um carácter utilitário, assumindo um papel ecológico de grande relevância.

Nos muros do Condomínio da Torre, na Alta de Lisboa:

APANHA A MERDA DO CÃO

QUANDO METERES O CÃO A CAGAR LEVA A MERDA PARA CASA

Etiquetas:

Escutas do Núcleo
Uma tarde de râguebi bem passada



[dois adolescentes grandalhões numa carreira da Carris]

- tudo bem?
- tudo
- é pá, este fim-de-semana ganhámos 19-9 à académica, foi baril. Soubeste da cena de pancada no fim?
-ya, ouvi falar, parece que foi em grande.
- Bué da louco man, os cotas todos à porrada, foi demais. Nós nem nos metemos muito, só distribuímos umas murraças e uns empurrões, porque éramos só 6 ou 7 e os gajos eram mais. Mas houve lá um cota da académica que desfez a boca ao pai e ainda bateu no filho...grande cena. O gajo começou lá a espingardar e o puto
"Vê lá ó filho da puta, olha que eu parto-te os cornos."
E ele, a arregaçar as mangas:
"Então vem, vem"
O puto avança, o gajo - um gajo já velho, mas matulão - agarra o puto, manda-lhe um safanão que ele até voou, vem o pai e ele parte-lhe a boca, demais.`Os cotas todos à porrada, parece que vai dar processo e tudo!
- Processo?
- Sim alguém chamou a polícia. Veio a polícia e depois aquilo parou um bocado, mas bastou os bófias virarem costas para recomeçar ainda pior, tiveram que vir os polícias de novo, tudo na murraça e nós lá no meio
- Isso deve ter sido fixe!
- Bem bacano!
- Mas sabes como é que começou?
- Não, isso não me apercebi, o jogo acabou e quando olhei já estavam os cotas dentro do campo a insultarem os putos...
- Foda-se, vocês em todos os jogos que entram dá molho.

Etiquetas:


quarta-feira, novembro 08, 2006

Escutas do Ministério Público
(as únicas que são melhoras q'as do Núcleo)

Luís Filipe Vieira (LFV) - Eu não quero entrar mais em esquemas nem falar muito...
Valentim Loureiro (VL) - Eu penso que ou o Lucílio... o António Costa, esse Costa não lhe dá... não lhe dá nenhuma garantia?
LFV - A mim?! Foda-se, o António Costa? Isso é tudo Porto!
VL - Exacto, pronto! (...) E o Lucílio?
LFV - Não me dá garantia nenhuma o Lucílio!
VL - E o Tiberius?
LFV - O Tiberius?! Foda-se, ó major... não brinque com o Benfica!VL - Prontos, está bem. E o Duarte?
LFV - Nada, zero! Ninguém me dá!... Ouça lá, eu neste momento é tudo para nos roubar! Ó pá, mas é evidente! Mas isso é demasiado evidente, carago! Ó major, eu não quero nem me tenho chateado com isto, porque eu estou a fazer isto por outro lado.
(...)
VL - Talvez o Lucílio, pá!
LFV- Não, não quero Lucílio nenhum! Para isso quase que preferia esse safardanas do Tiberius. Ao menos perdíamos por poucos!
VL- E o Proença?
LFV - O Proença também não quero! Ouça, é tudo para nos foder!
VL - E o João Ferreira?
LFV - O João... Pode ir o João. Agora o que eu queria... (...) Disseram que era o Paulo Paraty o árbitro... O Paulo Paraty! Agora, dizem-me a mim, que não tenho preferência de ninguém (...) à última hora vêm-me dizer que já não pode ser o Paulo Paraty, por causa do Belenenses.

[discussão em vésperas das meias-finais da Taça de Portugal]

Etiquetas:


segunda-feira, novembro 06, 2006

Hino para os congressos do Núcleo
Candidato 4: Liam Lynch



É daqueles temas profundos e intelectualizados, que põem um gajo a pensar. Lírica refinada e rica em metáforas.

United States of Whateva

I went down to the beach and saw Kiki
She was all, like, "ehhhh"
And I'm, like, "whateva!"

Then this chick comes up to me and she's all, like,
" Hey, aren't you that dude?"
And I'm, like, "yeah, whateva!"

So later I'm at the pool hall
And this girl comes up
And she's, like, "awww"
And I'm, like, "yeah, whateva!"

Cuz this is my
United States of Whateva!
And this is my
United States of Whateva!
And this is my
United States of Whateva!

And then it's three A.M.
And I'm on the corner, wearing my leather
This dude comes up and he's, like, "hey, punk!"
I'm, like, "yeah, whateva!"

Then I'm throwing dice in the alley
Officer Leroy comes up and is, like,
" Hey, I thought I told you..."
And I'm, like, "yeah, whateva!"

And then up comes Zafo
I'm, like, "yo, Zafo. What's up?"
He's, like, "nothin'"
And I'm, like, "that's cool."

Cuz this is my
United States of Whateva!
And this is my
United States of Whateva!


quinta-feira, novembro 02, 2006

Prémio Excelência no Jornalismo Núcleo Duro

Em primeiro lugar, cabe ao júri dizer que já foi surrupiado um logotipo para o nosso prémio...



De seguida, referir que há mais dois candidatos a este galardão de prestígio.
Um deles é um artigo apócrifo, como é frequente no Semanário. Intitula-se "Crise social e económica já vem dos tempo dos lusitanos?" e vem confirmar que Portugal já estava em crise ainda antes de existir, o que nos deixa a todos mais descansados. Alguns excertos:

"Numa recente biografia de Viriato, há referências ao bandoleirismo lusitano. Os lusitanos mais depauperados de recursos reuniam-se nas escarpas dos montes e aí formavam bandos consideráveis que percorriam a Ibéria, acumulando riquezas através do roubo. Esta forma de 'bandoleirismo', como tem vindo a ser denominado [sic] por Garcia y Bellido, teria uma causa social: a partilha muito desigual da terra entre os próprios Lusitanos."

Do segundo também não se conhece autor (por que será que muitos dos grandes trabalhos do jornalismo português não são assinados?) e sabe-se que foi censurado. Aqui fica a referência a ele feita no último "Expresso":

"Lusa pede desculpa

Uma notícia da Lusa segundo a qual o Presidente angolano iria encontrar-se com o homólogo russo para reforçar 'as relações de corrupção bilaterais' levou a agência noticiosa a pedir formalmente desculpas às embaixadas dos dois países e à Presidência de Angola."



 

banner for http://www.eurobilltracker.com

Powered By Blogger TM