segunda-feira, abril 24, 2006

Documento
O Fight Club do Monte



Diz a lenda que tudo terá começado quando Ernesto, o Tyler Durden do Núcleo, deu um leve e carinhoso murro no braço de Varas, um jovem conterrâneo com quem repartia um sótão no Monte Maravillhoso, em Braga. (nota: os nomes das pessoas e localidades foram alterados para não confundir aqueles que nunca ouviram falar de nós).

Num movimento-refrexo irreflectido, Varas terá respondido com um cruzado um pouco mais do que amigável ao ombro de Ernesto, que devolveu o golpe amplificando-lhe a potência. A troca de murros não mais parou e em pouco tempo os outros membros do ND iriam também aderir a um dos mais célebres clubes de "street fight" da região.

Regularmente, encontravam-se no sótão de Ernesto para descarregarem o 'stress' da vida universitária, com violentas contendas em que praticamente tudo valia. Embora fosse difícil, no dia seguinte, disfarçar os hematomas e a perda de dentes, poucos desconfiariam da existência de tão singular e espontânea agremiação, já que tudo se realizava debaixo do maior secretismo (a primeira regra do Fight Club do Monte era: "Não dirás nada sobre o Fight Club do Monte"...). Por isso, o documento que se segue é um dos poucos registos do que ali se passava. Uma autêntica raridade.

5 comentários:

Zézé Camarinha disse...

Já apanhei grandes malucas na cama! Algumas gostavam que eu lhes arriasse nas nádegas durante o acto sexual! Tinham essa tara, e eu tinha de lhes fazer o gosto.

Mohandas Gandhi disse...

Queria deixar aqui o meu boicote ao Núcleo Duro. Não à violência.

Barney disse...

Hey, can I throw up in your bathroom? I'll buy something

Pipi disse...

O Zezé e o Mohandas são uns rotos. Isto aqui é tudo rotos.

Zézé Camarinha disse...

Você duvida da minha machidade, ó pipi? Eu sou mesmo macho e tudo o que digo faco! Se duvida e caso seja mulher, vamos ali para trás do cortinado e tira as dúvidas! Nem precisa esgalhar-me o pessegueiro, a alavanca sobe automaticamente!